Djs fazem a festa (e o lounge) em Cachoeira (Ba)

 

 

Mantendo o clima da primeira edição do evento Paisagem Sonora, os 11 djs convidados para essa edição fazem a “costura” temática musical por noite. De afrobeats, passando pelo samba rock e clássicos da mpb, ao brega/mush ups e gêneros eletrônicos musicais, os djs assinam seus sets do dia 3 ao dia 8 de fevereiro, no II PAISAGEM SONORA (Mostra Internacional de Live Cinema do Recôncavo). Vjs Danillo Barata e Mateus Ribeiro também estarão atuando com o conceito de live cinema, durantes as apresentação musicais. Confira um a um:

 

O dj Elettra (aka Messias) que fará lounge set. Jornalista e Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (2004). É Diretor do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos (IHAC), da Universidade Federal da Bahia, e Professor do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade. Foi pesquisador visitante da New York University (Department of Media, Culture, and Communication). É músico e produtor cultural. É organizador do Digitalia - Festival/Congresso Internacional de Música e Cultura Digital, com longa atuação na cena alternative de Salvador. Como dj, explora vertentes do rock e da música eletrônica.

 

A dj Suzi 4Tons é pesquisadora musical e Dj, atuando desde 2009 na cena alternativa de Salvador-Ba, tendo integrado alguns coletivos como a “Confraria du balanço” (2010)  e Paraphernália Social Clube (2011). Discotecagens em projetos culturais como “Pelô de Vanguarda” (projeto selecionado pelo edital Tô no Pelô, em 2009, uma homenagem ao movimento musical que aconteceu em São Paulo, em meados das décadas de 70 e 80), Fiac-Ba (Festival Internacional de Artes Cênicas), Panorama Internacional Coisa de Cinema e Festival da Primavera 2014. Atualmente integra o Duo Contact Sound em parceria com o DJ Don Maths, projeto que explora o universo da música nos seus diferentes estilos: Soul, Funk, Jazz, Brazilian Music, 70's Psychedelic, Rock, Reggae, Flows Jamaicanos, Disco Music, Breakbeat, Balcan Beats, dentre outros, além de produzir a festa itinerante XTRAVAGANZA – MÚSICA & PERFORMANCE, uma proposta inovadora de evento, envolvendo as duas linguagens artísticas (discotecagens e performances).

 

Dj Angelis Sanctus (aka Claudio M.), alagoano de Maceió, radicado na Bahia em quase de 16 anos, é fundador e produtor do coletivo Pragatecno, um dos grupos pioneiros de música eletrônica do Brasil, criado em 1998. Tocou em eventos nacionais ao lado de tops DJs como Xerxes de Oliveira, Luiz Pareto, Marcos Morcerf, dj Dolores, dj Marky, Mauricio UM, Patife, além de vários djs da cena norte e nordeste.  Além de tocar em vários eventos urbanos e em festivais, como Skol Spirits, foi o único dj do norte e nordeste convocado para o Skol Beats (SP) de 2004, o maior festival de música eletrônica da América Latina, quando abriu o palco principal que incluía nomes como Benzina aka Scandurra, Erick Caramelo, Benni Benassi, Fischerspooner, Basement Jaxx, X-Press 2, Dave Clarke e Richie Hawtin. Toca house music e faz set de lounge. Produziu a trilha Sonora original (Yerma Maria da Silva, de Telma César, O Dia 14, de Ângelo Flávio, com Dão). Fez live pas com a cantora de jazz Mariella Santiago, no grupo QuasiDuo. Tocou, ao lado dj Beto Farias (Maceió), em live pa, no projeto Balaio-Brasil (SP), com o grupo folclórico alagoano As Baianas Mensageiras de Santa Luzia.  Integrou o coletivo Electroinvasores, de artistas multimídias baianos. Foi coordenador das coletâneas Sombinários.  É dj do Coletivo Audiovisual Xaréu e professor de artes, na UFRB.

 

Dj Kylt -  Ana Monica Moura, mais conhecida por “Kylt”, é de João Pessoa. Além de DJ, também é designer e produtora cultural. Toca ativamente há 10 anos, onde metade deste tempo, construiu a sua experiência musical na cidade de São Paulo. Percorre vários horizontes com o seu som e é reconhecida pela sua engenhosa técnica e primorosa pesquisa musical no campo das práticas musicais etnográficas. Em sua estética sonora, busca adaptar harmoniosamente para a pista de dança a riqueza da música regional e brasileira, bem como dos diversos ritmos latinos e africanos, acarretando em um forte diálogo com o gingado das sonoridades percussivas e somando tais referências aos efeitos e beats eletrônicos dançantes.


Dj Foxxy aka Fernanda S. (João Pessoa) atua desde 2004. Fernanda Silveira desenvolveu seu trabalho em diversas cidades do nordeste, São Paulo e Buenos Aires. Após o seu retorno da Argentina, mergulhou em um diferente universo musical e acabou direcionando-se para um novo contexto, o deep house. Em 2013 quis expandir esta transição sonora e criou o projeto Fernanda S, dando continuidade ao seu trabalho de produtora.

 

Dj Benjamin Ferreira (Belém/São Paulo0 é um dos principais nomes da disco e da house music brasileira, o paraense Benjamin Ferreira tem quase vinte anos de carreira e já se apresentou em eventos importantes que vão de festivais aos principais clubes da capital paulistana, além de vários outros estados. Londres também já recebeu seu som, onde dividiu a cabine com nomes da grandeza de Ashley Beedle e Atjazz. Benjamin também é produtor e lançou músicas na Inglaterra e nos EUA com seu projeto Boogie Central, em parceria com o produtor e multinstrumentista Erico Theobaldo. Atualmente Benjamin é residente da festa Ursound (no Hotel Cambridge), organiza com Renato Cohen a noite Poperô, e também é responsável pelo projeto De Leve, onde toca soul, jazz, funk, música brasileira, africana, latina e afins.


Dj Roque Rasta é o fundador do Bar do Reggae em Cachoeira e responsável por este local de resistência na cena do recôncavo baiano


Dj Lord Breu é baiano de Salvador. Dj e produtor desde 2004, mantém a sua atenção voltada para a Bass music global de tendências tropicais. Elementos da cultura afro-baiana são comuns em muitas de suas produções, que assim como seus sets passeiam por Trap, Twerk, Moombahton, Dancehall, Bahia Bass e outros graves tropicais. Já lançou faixas pelos selos Putz Records e Braza Music (Brasil),  Mal dicen / Latino Resiste (Colombia/Canadá) e Cassette (Mexico).


Dj Luciano Kalatalo (Brasília). É dj desde meados dos 90s. Vagueou pelas vertentes da música na época: do dance farofa ao shoegazer, também bateu cabeça com heavy metal, foi anorak e comprou camisa de flanela só para ouvir Nirvana. Já nos anos 00's, em São Paulo, foi um dos criadores da Gente Bonita e Clima de Paquera, a primeira festa brasileira de mashup, celeiro de grandes nomes da cena brasileira como: João Brasil, André Paste e DJ Masa. Atualmente o trabalho de misturas continua, nem tanto com mashups, mas sim com a salada de gêneros que surgem em seu set. De forma democrática a pista vai se deleitar com cumbia, samba rock, salsa, mpb, psicodelia, afro-house, música brega e rock.

 

Dj Môpa (Salvador). Fez parte do grupo de rap DHB, se destacando como um dos melhores djs do estilo, com técnica precisa de mixagens longas. Hoje o dj Môpa faz parte do staff do grupo Pragatecno/Salvador, onde passou a pesquisar mais sobre o som que sempre gostou: a house music. Além de produtor, Môpa também tem ministrado workshops sobre música. Já tocou ao lado de alguns nomes importantes da cena nacional como dj Marcos Morcerf, Luís Pareto, Renato Cohen, André Pulse, Gustavo Tatá, Jonas Rocha entre outros. Entre os eventos onde já tocou destacam-se o Skol Spirit, Festival de Verão, Boom Bahia, Camarote Expresso 2222, ID Lounge, Soar Festival de Djs entre muitos outros. Dj Môpa também pesquisa e coleciona a MPB baseada no samba-rock, além de outros gêneros musicais. Um dos djs de maior técnica de mixagem em Salvador.

 

Chico Correa (Joao Pessoa) é o pseudonimo de Esmeraldo Marques. ChicoCorrea transita pelos fragmentos imaginários da tradição remixada. Misturando sintetizadores e Samplers, realiza seus sets baseados nas tradições musicais nordestinas e o subgrave dos Sound Systems. Artista residente do programa DIGIBAP (conexão França­África­Brasil), bacharelando em composição musical pela UFPB, já trabalhou com Dj Dolores, Maga Bo, Baiana System, Cabruera, Totonho e os Cabras. Em seu estúdio desenvolve trilhas sonoras para filmes e espetáculos de dança, bem como remixes para diversos artistas. Tem sua base na Paraíba, onde atua nos projetos ChicoCorrea&ElectronicBand , Parahyba Art Ensemble e Seu Pereira e Coletivo 401. Atuando mundo afora, já tocou em diversos festivais e países Europeus, bem como África, China e Asia. Produz a festa Baile Muderno , itinerante e com vários convidados num formato “live pa”, com Djs e músicos interagindo e improvisando. O Baile Muderno já circulou por João Pessoa, São Paulo, Salvador, Brasília, Goiania, Paris, Bruxellas, Amsterdam, Marseille.

 

Os VJs

 

VJ Danillo Barata é videoartista e curador no campo do vídeo e da fotografia. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC São Paulo, Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia – UFBA. Professor e diretor do Cecult (Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas) da UFRB. Responsável pela implantação do Curso de Cinema e Audiovisual da UFRB do qual foi coordenador de 2008 a 2010. Presidiu a Comissão de criação do curso de Artes Visuais da UFRB, que tem ênfase em multimeios. Foi Presidente da Câmara de Extensão da UFRB em 2009 e 2010. Desenvolve pesquisa sobre a produção contemporânea com foco na performance, imagem e arte eletrônica. Em sua trajetória artística, trabalha com poéticas que articulam o vídeo, arte eletrônica, fotografia e cinema. Desde 2008 realiza projetos na Werkplaats Beeldende Kunst Vrije Academie no departamento de imagem da World Wide Visual Factory em Den Haag (Haia), Holanda. Possui obras em acervo no Museum der Weltkulturen Frankfurt na Alemanha, na World Wide Visual Factory (Holanda) e no Museu de Arte Moderna da Bahia. Em 2006, recebeu o prêmio aquisição no 13º Salão do MAM- Bahia e em 2007 o Prêmio Videobrasil WBK Vrije Academie no 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica – Videobrasil. É pesquisador do GAAP (Grupo de Ensino, Pesquisa e Extensão em Arte, Audiovisual e Patrimônio) e do Grupo de Estudos e Práticas Laboratoriais em Plataformas Livres e Multimeios – LinkLivre.

 

VJ Mateus Ribeiro - Além de VJ, Mateus Ribeiro atua como projecionista e em captação de som direto, edição de som, mixagem e desenho de mapa sonoro. Estuda Cinema & Audiovisual no Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL), da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB).

 

O evento, realizado pelo Coletivo Xaréu, com o patrocínio da Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia, é aberto ao público em geral. Na programação, que destaca vídeos experimentais, oficinas e mostras de live cinema, traz ainda mesas redondas, performances, pocket shows, line pas e palestras demonstrativas. O Paisagem Sonora vai ocupar 3 espaços na cidade histórica de Cachoeira: o Cine Teatro Cachoeirano, o Espaço Cultural (Galeria) Hansen Bahia e o Pier Bar, à beira do Rio Paraguaçu, sempre com atividades às tardes e noites, com entrada franca, inclusive para as oficinas. 

elettraakamessias.jpg
fernanda_s.jpg
lordbreu1.jpg
mopa_foto_alessandra_novais.JPG
suzy4tons1.jpg
kylt1.jpg
chicocorrea1.jpg
lucianokalatalo.jpg
benjaminferreira.jpg
1/2