III Paisagem Sonora: Mostra Internacional de Arte Eletrônica do Recôncavo da Bahia

A proposta da mostra é realizar conferências, intervenções públicas, exposições e performances audiovisuais, reunindo autores, pesquisadores e coletivos que utilizam o vídeo e a música eletrônica como estratégia para potencializar um discurso, compartilhando repertórios, incorporando métodos de esgarçamento das linguagens e, sobretudo, intervindo na paisagem das Cidades de Cachoeira e Santo Amaro (Bahia).

 

Paisagem Sonora – Mostra Internacional de Arte Eletrônica do Recôncavo da Bahia acontece em um momento importante de reflexão, mapeamento, crítica, descoberta e incentivo de novas iniciativas no campo do audiovisual, através do estabelecimento de um diálogo entre a produção do Recôncavo da Bahia, nacional e internacional. A mostra presta uma homenagem ao pesquisador canadense Murray Schafer. Criador das expressões “ecologia acústica”, “esquizofonia”, “som fundamental” e “paisagem sonora”.


Nesse sentido, apresentamos um bom panorama de autores que utilizam o cinema, o vídeo e a música como estratégia discursiva. O compartilhamento de repertórios, incorporação de métodos de esgarçamento das linguagens e, sobretudo, o rompimento de limites de um certo ensimesmamento são a tônica das performances. Com efeito, tais ações, aproximam-se do conceito de "campo expandido" e “cinema expandido”, o primeiro formulado pela teórica Rosalind Krauss, para caracterizar a nova escultura, que incorpora materiais e procedimentos os mais diversos e o segundo formulado por Gene Youngblood, que trata de uma série de experiências que rompem com os espaços formais do cinema. Em Sinestesia Arte e Tecnologia, Sérgio Basbaum define "música visual" como um território da arte ao qual podemos associar obras com as quais se aspire a uma sinestesia artística não hierárquica entre som e imagem em movimento.

Assista aqui o documentário sobre o Paisagem Sonora, do diretor Marcondes Dourado.